Sobre o "fenômeno" 50 tons de cinza.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Para ser sincera eu não me imaginava vindo no blog escrever sobre esse livro, mas ultimamente tem tido tanta mídia em cima graças ao lançamento do filme que eu não tinha como não vir comentar sobre. Nos últimos três dias participei de pelo menos 4 debates sobre o assunto. Juro. 

Não, eu não sou fã da série. E sim eu li os TRÊS livros - é importante dizer isso hoje em dia frente a argumentos que encontrei do tipo "não leu, não pode falar". Não tenho o menor problema com quem gosta desde que as pessoas que apreciam a história saibam o que eu vou falar nesse post.

Enfrentamos um problema sério em nossa sociedade: somos machistas. Fim. Nós somos. É importante reconhecer para que possamos combater isso. E graças a esse triste fato as mulheres, principalmente, vivem sob uma pressão enorme. A pressão de estar sempre bonita, o medo de andar pelas ruas à noite, a ideia de que se você não estiver em um relacionamento então você não é bem sucedida, a noção de acharem não sermos tão bem capacitada quanto os homens para certas profissões (engenharia, por exemplo), se você não souber cozinhar então não é uma mulher de verdade, meninas devem brincar de bonecas e casinha enquanto os meninos devem brincar de carrinho e bola... São atitudes assim, pequenas, que caracterizam o machismo dentro da nossa sociedade.

E 50 tons de cinza é machista em níveis muito maiores e muito mais explícitos.

Para quem não sabe - não acho que hoje em dia exista mesmo alguém que não conheça a história desse livro, mas... - 50 tons conta a história de Anastasia, uma menina com baixa auto estima, virgem e ingênua que conhece o maravilhoso Christian Grey - um homem forte, bonito, inteligente e para não mencionar, rico. Mas que gosta de sadomasoquismo. E então a menina, apaixonada pelo Sr. Grey, de repente se vê imersa em um mundo completamente novo de chicotes e tapas.

A ideia do livro é bacana. Quebrar um tabu da nossa sociedade é sempre bacana. E por sermos muito conservadores falar de sexualidade nem sempre é bem visto aqui no Brasil - tirando, é claro, na época do Carnaval. No Carnaval pode tudo. O problema é que o livro não é nada disso.

Ao invés de quebrar tabus ele os reforça e não apenas o de que "sadomasoquismo é errado", mas vários outros que irei comentar.

1. O livro é mal escrito e mal elaborado.

Antes de começar a debater, de fato, os pontos que citei acima me senti na obrigação de começar com essa questão. Por ser escritora e gostar muito de escrever reconheço quando uma escrita é bem feita e quando a autora fez questão de se empenhar naquilo que ela está escrevendo. O livro é extremamente mal feito. Fica muito óbvio para quem lê que os diálogos corridos e com pontuações exageradas tendem ao infantil. Assim como Meyer em Crepúsculo, as descrições são óbvias e às vezes pouco precisas. Os personagens mal elaborados. E seu relacionamento então... demasiadamente fantasioso. Além da história ser obviamente repleta de clichês já batidos.

2. O livro demonstra que para viver bem é preciso ter um relacionamento amoroso.

Anastasia é a personagem feminina que vemos em romances típicos: é a menina insegura de sua beleza, de sua inteligência e de seus atributos, que não tem capacidade de fazer nada por si mesma, que é ingênua e tem baixa auto estima. É interessante você notar como a medida que o relacionamento deles vai "evoluindo" ela vai se sentindo uma mulher "nova" e poderosa. Como se todos os problemas que ela tinha tivessem se resolvido por mágica. A protagonista passa a trilogia inteira agradecida por ter encontrado um homem como aquele e sem saber porquê ele iria se interessar nela. Tudo se torna um discurso muito maçante e cansativo. Estar em um relacionamento é bom? Ótimo. Mas não vai resolver seus problemas, de fato, é capaz de lhe trazer novos problemas. Melhores ou Piores? Não sei. Mas com certeza eles não vão acabar por aí.

3. O livro perpetua o machismo.

O que é o machismo para você? Claro, existem todos aqueles motivos que citei lá no início do texto. Mas o que você pensa quando ouve a palavra machismo? Para mim é uma cena em que a mulher é a escrava do homem. Está ali para serví-lo sexualmente ou não. Lavando suas roupas, fazendo sua comida, fazendo tudo o que ele pede sem questionar. Não existe visão mais descritiva que essa quando se pensa nisso. Pois bem. Logo no primeiro livro nos deparamos com o contrato que Anastasia se vê obrigada a assinar, dentre as cláusulas se encontram detalhes sobre o que ela pode ou não comer, quantas horas por dia ela deve se exercitar, quantas horas por noite ela deve dormir e até mesmo a obrigação de tomar um anticoncepcional, seja qual for. Dentre outras coisas. A menina não é livre nem mesmo para escolher se quer ou não engravidar, quer limitação maior que essa? Ela deve estar devidamente depilada - do jeito que ele gosta. Ou seja, tudo o que ela faz ou deixa de fazer tem de ser feito visando agradar à ele. Mesmo que ela não goste. Pergunto agora para as meninas que leram: Qual de vocês aceitaria isso tudo que descrevi vindo de um garoto que não fosse o Christian Grey? Aposto que muitas disseram não. Então por quê aceitar isso tudo vindo dele? Pode não estar lá escrito no livro que ele é machista, mas a leitura implícita, que se encontra nas entrelinhas é essa: A mulher é submissa ao homem. Ela deve agradá-lo em primeiro lugar antes de agradar a si mesma. 

4. O livro nos traz expectativas irreais frente ao sexo.

A primeira vez de Anastasia é a primeira vez cheia de floreios. Feita para arrancar suspiros das mulheres que leem a trilogia. Ela tem vários orgasmos logo de cara e acha que é tudo lindo e maravilhoso. No dia seguinte ela aceita entrar em uma relação que exige muito do seu físico e do seu psicológico - o bdsm. É verdade que nem toda menina sente dor na primeira vez, mas eu diria que 8 entre 10 sentem muita dor. E a dor não vem apenas na primeira vez, vem na segunda, vem na terceira e pode até mesmo vir na quarta. Tudo porque seu corpo não está acostumado com aquilo e leva tempo mesmo. Só depois que você vai começar a sentir o prazer. E mesmo sentindo prazer não é sempre que você vai chegar lá... De fato, poucas vezes na sua vida isso irá acontecer. O corpo feminino é muito complicado e sensível e é muito mais difícil para nós, mulheres, atingirmos ao orgasmo que para os homens. 

5. O livro não faz jus ao que é ser BDSM.

Apesar da proposta ser de quebrar o tabu que envolve esse tema, 50 tons faz justamente o oposto. Retrata uma relação doentia e abusiva em que o Sr. Grey utiliza o sadomasoquismo para maltratar e punir mulheres que ele não acha digna. O BDSM é uma relação sexual e portanto se restringe a atos sexuais - feitos dentro ou fora da cama, desde que sejam sexuais. Como citei em um ponto acima a relação dos dois vai muito além da cama, ele estipula limites que para ele está de acordo já que ele é o dominador. Só que não, não está correto. Controlar a vida do parceiro, com quem ele sai e com o que trabalha (sim, chega um momento do livro que ele simplesmente decide comprar a empresa onde ela trabalha) não faz parte do sadomasoquismo. Além disso realmente existe uma parte do livro em que ela diz a palavra de segurança (a safe word) e ele ignora. Isso é algo GRAVE e é um ABUSO SEXUAL - mas irei falar melhor disso mais embaixo. O próprio Christian Grey admite que gosta de machucar as meninas com que se relaciona pois elas lembram de sua mãe com quem tinha problemas quando jovem. A autora dá ao personagem um trauma infantil como explicação do porque ele é o que é. Do porquê ele curte os chicotes e os tapas. Em outras palavras ela dá a ele uma doença psicológica. E isso não é quebrar um tabu, isso é reforçar a ideia de que quem pratica o BDSM, pratica porque passou por situações traumáticas e não porque simplesmente gosta e quer explorar sua sexualidade de um jeito diferente.

6. O livro retrata um relacionamento ABUSIVO.

Sim, a menina estava de acordo com tudo o que acontecia com ela, mas será mesmo? Você pode estar em um relacionamento abusivo e não saber disso. Como você também pode saber e aceitar. Mas nem por isso deixa de ser abusivo, nem por isso deixa de ser errado e nem por isso deixa de ser motivo para não ignorá-lo. Muitas meninas que passam por isso estão em estado de negação. Simplesmente não querem acreditar que o namorado que dá flores é o mesmo que bate nelas. Daí surgem as desculpas: "ele não fez de propósito", "foi sem querer", "ele prometeu que ia mudar", "ele não é assim, juro. Foi a última vez". E existem meninas que tem a auto estima tão baixa que elas acham que precisam daquele relacionamento para serem vistas como mulher pela sociedade, de modo que aceitam tudo o que seus namorados/maridos fazem com seu corpo e sua mente. É preciso lembrar que em um relacionamento abusivo a mulher está tão perdida, tão desamparada, que às vezes nem ela sabe que está em um. Peço que olhem para a foto que deixarei abaixo e ponderem sobre o que é um relacionamento abusivo e contem nos dedos o que o Christian Grey faz com a Anastasia ao longo dos três livros. 

"As pessoas tem que entender que relacionamento abusivo tem como base principal a dependência. Seja ela financeira ou psicológica. Você começa a se anular para fazer parte da vida do outro e então simplesmente não percebe que atitudes de violência verbal ou física são realmente tóxicas. É preciso emponderar mulheres e fazer elas enxergarem que estão nesse tipo de relacionamento, porque muitas não sabem justamente porque as pessoas romantizam a situação. Que é justamente o que o Livro faz." - Uma amiga minha sobre a situação Anastasia-Christian Grey

Chega um momento da história que a protagonista afastou tanto os amigos que a vida dela passa a girar em torno do seu parceiro.

7. O livro romantiza problemas sérios existentes na nossa sociedade.

Depois de tudo que leu até aqui, nesse momento você provavelmente deve estar se perguntando como nunca percebeu esses detalhes sobre a história. Eu explico o porquê. O livro foi criado e escrito de modo que nos iludisse a pensar que isso tudo é natural, normal e até bonitinho. Digno de suspiros. Isso não é algo restrito a esses livros, desde séculos passados histórias assim tendem a nos dizer que o amor supera tudo. Mas não é bem assim. A ideia de que nós, mulheres, somos capazes de mudar os homens apenas utilizando do amor é irreal. Os homens vão mudar sim, se eles quiserem. Não se iludam achando que um homem que bate em sua esposa todo dia de repente vai mudar e pedir desculpas. Não é assim que funciona. Não achem bonito a maneira doentia com que Christian age em sua relação com Anastasia. Contratar um segurança para seguir a namorada não é uma atitude normal. Não é uma atitude louvável. Comprar o prédio em que você trabalha para que tenha acesso a sua vida pessoal e profissional não é aceitável. É perseguição, é abuso. Se você que leu o livro e agora está pensando: é óbvio que não é real, é um livro. É ficção. Errou de novo. Autores escrevem o que eles veem na sociedade, seja consciente ou inconscientemente. E relacionamentos abusivos é uma realidade. Muitas mulheres enfrentam isso todo dia e sofrem com suas consequências. Dar um trauma ao personagem Christian Grey oferece uma desculpa. Um jeito de dizer que ele fez o que fez apenas porque foi maltratado na infância e por isso é perdoável. Só que trauma não é motivo para praticar abuso sexual. Independente do que sofreu ninguém tem direito a agir desse jeito. O livro reforça que relacionamentos assim não devem ser levados a sério. Ou pior: devem ser aceitos. A mulher que passa por isso às vezes nunca se recupera totalmente do ocorrido. O problema é quando meninas de 12, 13 anos leem e não têm a menor noção do que é fantasia e do que é realidade e por isso sonham acordadas com o dia em que irão encontrar um Sr. Grey na sua vida. Fiz esse texto para alertá-las sobre o que realmente diz 50 tons de cinza. 

E não adianta querer culpar os pais por elas lerem. Isso é pura ignorância, estamos em plena era digital onde há pdfs disponibilizados de graça por toda rede. E mesmo que os progenitores impeçam que a menina leia, uma amiguinha com certeza vai chegar e vai oferecer. É falta de noção querer que os pais hoje em dia controlem pré-adolescentes - que acham que sabe tudo e estão em sua fase de ser rebelde. Se estiver realmente procurando alguém para culpar, culpe a mídia. Afinal se não fosse tamanho marketing em cima dessa história muitas pessoas - e consequentemente adolescentes - nem saberiam da existência dela sendo reduzida mesmo ao seu público alvo. A coisa fica um pouco mais complicada quando vamos à uma livraria famosa e o vemos exposto em tudo que é canto. Isso desperta curiosidade mesmo em quem não tem interesse no assunto.

Para finalizar quero deixar bem claro que não tenho problemas com que lê ou gosta da série, desde que - repito - problematizem a história. Saibam o que estão lendo e principalmente, saibam diferenciar aquilo que está sendo romantizado para deixar a história "mais bonita" daquilo que realmente acontece e gera um problema grave. 


Comente com o Facebook!

24 comentários:

  1. Meu Deus, melhor post ever haha
    Você soube argumentar super bem e criar seu texto a partir disso.
    www.iamcamilakellen.blogspot.com
    www.facebook.com/iamcamilakellen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, muito obrigada. Você não sabe o quanto isso me deixa feliz haha <3

      Excluir
  2. Nossa , pois do 50 tons de cinza eu tinha ouvido falar , que era uma porcaria , pois tinha muita " Pornografia ", mais pelo que vejo nao , estou vou ler o livro ,! bjjs
    http://atraspenteadeira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha tem muitas cenas de sexo sim. Massssss, as cenas - no meu ponto de vista - não são bem escritas. É como se você lesse a visão de uma menina de 13 anos sobre sexo.

      Excluir
  3. Bom eu não me interesse em ver e nem em ler...acho que não concordo com nada que a autora escreveu e então pra mim não seria uma grande aquisição e nem traria pra minha vida algum exemplo.

    MAs cada um sabe de sua vida né. Muito boa sua análise. Parabéns!

    http://meninodamamae.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o livro é válido ler para você exercitar seu olhar crítico, mas admito que é uma leitura cansativa e infantil. Que bom que você gostou <3

      Excluir

  4. Aplausos pro seu post! Não li os livros, nem vi o filme, mas, sua avaliação veio bem de encontrou ao que eu tomei como ~preconceito~ só de ouvir e ler resenhas do tipo escola NOVA de mulher miolo mole e que não pensa a fundo sobre nada.
    Não acho um filme profundo, mas ele traz questionamentos que a sociedade evita a todo custo,

    Beijos,

    Beijos,

    Lis Silva

    Estilo pra Vida | Twitter | Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, muito obrigada haha. É bom ouvir quando alguém gosta do seu texto. E fico feliz que tenha lhe agradado <3

      Excluir
  5. Falou TUDO. Eu li os dois primeiros livros também pra poder comentar e achei exatamente isto que tu disseste. É mal escrito (parece umas fics que eu escrevia com 13 anos, e também já incluindo a perspectiva irreal de sexo. Parece realmente escrito por quem nunca o fez), é machista e abusivo. Olha, sem comentários...
    ;**

    Red Behavior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou do texto <3 É verdade, eu lia sem acreditar no que tava lendo.Revoltada mesmo, haha. E a escrita é sofrível demais.

      Excluir
  6. Oi Aninha,
    Adorei o post! Parabéns!! U.u
    Queria ler os livros, mais me falaram que não posso, pois tem muitas cenas inadequadas :/ Quem sabe quando eu ficar de maior :P
    Beijos, visite meu blog!!!!
    Kworldofbooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelos elogios. Sei como é chato isso de "não tem idade, você ainda é muito nova", mas um dia passa. Às vezes é preciso esperar um pouco para não cair na armadilha de retirar lições erradas, 50 tons é um livro que ilude muito - e não só meninas jovens, como você, mas até mesmo mulheres adultas. Então é preciso ter um pouco entendimento do que se está lendo. Espero que um dia, quando você leia, lembre de mim e de tudo o que escrevi. <3

      Excluir
  7. Nunca li nem vi o filme, mas adorei sua crítica.
    Uma amiga minha assistiu o filme no dia do lançamento e adorou. No mesmo dia foi comprar o livro. Sabe o que aconteceu? Ela ODIOU o livro. disse que é mal escrito e que acha que nem do filme gosta mais. É como você disse, é como se fosse escrito por uma menina de 13 anos.
    A parte mais ridícula é ver que tem gente que "obedeceria" o Christian a qualquer custo, só porque ele é rico e bonito. Isso só me faz pensar que tem muita menina/mulher por aí que não sabe valor que tem.
    Enfim, adorei o blog, beijão :*

    www.cold-vanessa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa quer saber de uma coisa? Acho que até sei o que aconteceu com a sua amiga. Estive conversando com um moço hoje que também fez uma crítica - só que do filme - e pelo que ele escreveu o filme foi muito mais romantizado que o livro. As cenas de sexo foram bem mais leves e o clima de abuso foi bem mais sutil. Talvez quando a sua amiga leu o livro, ela percebeu coisas que o filme realmente camuflou - além de que, sim, a escrita é sofrível. Um verdadeira problema. Mas fico feliz em saber que gostou da crítica.

      Excluir
  8. Vão ter pessoas indignadas com seu post, porque ta uma febre fora do normal esse livro/filme, mas pode ter certeza que concordo com tudo que você disse.
    Achei o livro mt ruim, a leitura é horrivel, chata e além de todos os fatores machistas...
    Adorei seu post.
    E está lindo o layout do blog.

    Grande beijo

    http://blogdakeeka.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olha te dizer que até agora não vi ninguém me xingando não viu? HAHA, mas eu esperava receber algumas críticas sim, to até impressionada que ninguém veio reclamar comigo hehe. Mas muito obrigada <3 Por tudo o que você disse <3

      Excluir
  9. Vim visitar e amei seu blog! Posts e layout lindos! Parabéns e sucesso.
    Meu blog com post novo:
    http://ocotidianodeumaadolescentee.blogspot.com.br/2015/03/ela-se-garante.html
    Beijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou haha. Fico feliz <3 Vou ver.

      Excluir
  10. Resenha magnífica! Não precisou de detalhes técnicos, apenas detalhes que alguém pudesse entender a lógica desse livro. Obrigada,i fazer ter vontantade de ier esse livro.Ainda não li o livro. E quando lê-lo, quero resenhar tão bem quanto você. Mas enfim, deve sim ser muito tons para pouca estória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahaha obrigada solange <3 fico feliz que tenha gostado da resenha <3

      Excluir
  11. Sua crítica foi excelente! <3 Acho realmente que esse livro é um desserviço a mulher.

    ResponderExcluir
  12. Que post incrivel, moça! Parabéns pelo seu posicionamento, porque está certíssimo. Eu não entendo como tem pessoas que não enxergam tudo isso nos livros (eu li o primeiro ate a metade e parei). Fora que os livros, como você disse, não muito mal escritos o.O

    Depois que eu assisti ao filme (o primeiro), eu me convenci de que não fizeram nada de bom lá também (só a trilha sonora que eu gostei hehe). Achei o filme muito ruim, os atores pareciam que estavam com medo um do outro, os diálogos são rasos...

    Enfim, o texto está incrível! Beijos :*

    ResponderExcluir

Quero + Pizza • Design e Desenvolvimento por Lariz Santana