sábado, 30 de maio de 2015

Os Meus Desenhos #1



Calma que não to falando dos desenhos que passam na TV. Há muito tempo atrás, em uma época distante eu fiz um post aqui no blog incentivando vocês a começarem a desenhar e hoje eu resolvi trazer uma proposta diferente. Resolvi mostrar os meus desenhos favoritos (que eu fiz) e contar um pouquinho tanto deles quanto da minha "evolução" como "desenhista". 

Espero que eles inspirem vocês a perder o medo do desenho e de tirá-lo do pedestal que é "não tenho talento pra desenhar". A verdade é que todos temos capacidade de aprender, pois o desenho assim como a escrita, a música, a dança vem com a prática. Um desenhista experiente pode "desaprender" se ficar meses sem tocar num lápis HB. Assim como alguém que nunca desenhou pode fazer um primeiro desenho lindo. Tendo feito o Curso de Design de Moda no Senai (por um período, pelo menos - compartilhei essa experiência aqui) eu pude conviver com gente que nunca havia tido nenhum tipo de experiência com o lápis e o papel e mesmo assim surgiam coisas incríveis. Então não desanime, se você acha que é um hobby legal e um jeito interessantes de passar o tempo então se joga.

Eu gosto de desenhar porque me acalma e estimula a minha criatividade, além de ser um ótimo jeito de passar o tempo, então espero que com esse post eu desperte em vocês a vontade de tentar também.



Esse desenho é muito especial pra mim, porque o Coragem sempre foi o meu personagem favorito do Cartoon, eu era literalmente apaixonada por ele. E por isso que quando voltei a me dedicar ao desenho ele foi um dos primeiros. Eu deixo ele guardado no meu quadro de imãs e tenho um carinho muito forte por ele. Então se você também estiver começando tenta escolher um personagem que seja importante pra você e ao mesmo tempo que não exija tanta técnica. O Coragem são traços simples, assim como a maioria dos Desenhos dos anos 90.



Esse desenho é um dos meus favoritos por dois motivos: foi o primeiro desenho que tentei experimentar o sombreamento (que tá muito ruim, sim, eu sei) e foi o primeiro desenho que representou um tipo de desafio pra mim. Ele exigia detalhes e na verdade o desenho original era muito maior, era um castelo inteiro mesmo, mas aqui quis representar apenas uma parte dele. Então a minha próxima dica caso você queira algo mais difícil é pegar uma parte de um desenho ao invés do todo. Assim você trabalha com proporção e aproximação. 



Quem disse que coisas simples não podem trazer resultados legais? Esse desenho eu copiei de um achado do Society 6 e sim, copiei. Porque copiar desenhos é um ótimo treino, especialmente se você é iniciante. É assim que você vai garantir que sua mão se acostume. Primeiro você usa de referências antes de tirar da sua própria cabeça. Você começa com desenhos, passa para fotografias, modelos vivos e então você pode começar a tentar da sua cabeça. Eu sou uma que tenho uma tremenda dificuldade para desenhar puramente da imaginação, então não se sinta mal de começar buscando por desenhos na internet e tentando reproduzí-los, todos estiveram no seu lugar um dia. E começar com coisas simples é na verdade o ideal, pois assim você evita se desapontar e assim evita o desânimo de deixar aquilo de lado.



Depois que você se acostumar a copiar desenhos simples então você vai poder exigir sempre mais de você. No caso eu achei essa coruja em um tumblr de desenhos e achei tão bonita que resolvi tentar, mas a técnica de pintura que eu usei foi bem diferente da do desenho original que foi feito com aquarela, já eu preferi usar o giz de cera. E essa é a minha próxima dica: aprender a se inventar na hora de colorir, não fique preso ao que o artista original usou (especialmente se você não tem técnicas para isso). Você pode se sentir livre para alterar o desenho ou a cor. 



É óbvio que eu não poderia deixar de mostrar esse desenho. Esse foi o primeiro croqui da minha vida. E, embora, tenha ficado muito diferente de como eu imaginei inicialmente porque eu não possuía técnica de desenhar tecido (e até hoje minhas técnicas não são muito boas, haha) improvisei do melhor jeito que podia. Mas o resultado me agradou e é bom para me lembrar das diferenças que os nossos traços vão passando até eles se manterem um só. 



Esse desenho eu fiz copiando duas obras de arte que estavam expostas no Museu de Arte Moderna de São Paulo no ano de 2014. Nesse ano fiz uma viagem pelo colégio para conhecer a cidade e para guardar de lembrança, não só do museu, mas de tudo o que passei naqueles poucos dias resolvi reproduzir os dois quadros e juntá-los em um desenho. Desenhe o que estiver a sua volta, você vai ver que isso pode ser um verdadeiro desafio. E não se sinta envergonhado de tentar, na viagem eu sentei no chão mesmo, abri meu caderno e pronto. 



A sua inspiração pode vir de qualquer lugar, uma paisagem, um quadro, uma foto, um livro ou nesse caso a capa de um livro. Esses desenhos eu tirei do livro O look da Thássia Naves, eu simplesmente achei a diagramação incrível e quis redesenhar no meu caderninho, só por enfeite mesmo. Você pode tirar desenhos legais dos lugares mais inusitados, assim como escritor busca sua inspiração nas horas mais diferenciadas, o desenhista procura por elas em lugares bastante diversificados também.



E para finalizar os desenhos de hoje, quero mostrar o último croqui que fiz (nessa manhã) com lápis aquarelável. E essa vai ser minha última dica do post não tenha medo de se arriscar com materiais novos. Mesmo se você não souber usar, improvisa e tenta. Se não ficar legal, tenta de novo. Dê novos motivos para eles, use materias inusitados como papel de jornal, colagem, e qualquer outra coisa que você possa inventar. Desenho é criatividade e imaginação. Não tenha medo de se arriscar.

Espero que vocês tenham gostado do post de hoje, me digam o que acharam e se gostariam que eu mostrasse mais dos meus desenhos por aqui. Óbvio que eu só mostrei alguns poucos e tenho muito mais guardado aqui em casa, fora os que dei pro meu namorado e amigos. 

Eu sei que muito do que disse aqui já havia falado no post de dicas, mas achei bom repetir até porque dessa vez vocês puderam ver na prática (na minha prática pelo menos, como é). Esse último desenho foi o primeiro desenho que tirei inteiramente da minha cabeça e acho isso muito legal porque nunca tinha conseguido um resultado agradável antes fazendo isso. 

Deixem suas dúvidas aqui em baixo e me contem a experiência de vocês com o papel ok?

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Photoshop 101 - Editando uma Foto



Mais um Photoshop 101 - e eu to começando a ficar com medo de vocês estarem se cansando desses posts, haha - e hoje, finalmente, vou ensinar um tutorial de verdade. Chega daquele negócio de conhecer o programa - mentira, é super importante, então se você não viu nenhuma das postagens anteriores, clica aqui antes de prosseguir. Resolvi começar com algo fácil e simples então antes de se preocupar com montagens, cortar foto, criar capa, criar avatar, vamos passar pelo básico: editar uma foto de um jeito simples. 

Existem três jeitos de editar uma foto: você pode usar uma action já pronta, pode usar uma colorização já pronta ou pode simplesmente inventar uma edição própria. Naturalmente, a que você cria é a mais difícil portanto vou deixá-la por último. Hoje, vamos nos concentrar nos dois jeitos mais fáceis: action e colorização. 

  • Editando uma foto com Action
Primeiro passo: Abra o seu Photoshop e em seguida uma imagem de sua escolha. Eu vou usar a foto abaixo, sintam-se livres para usar a mesma (para testarem) ou tentarem uma diferente. Caso não se lembre como abre uma foto vá em File>Open ou aperte Ctrl + O. E se quiser saber outros comandos vá nesse post aqui.


Foto que eu usarei durante a edição desse post.

Segundo Passo: Como eu disse há alguns posts atrás, sites como o Deviantart são ótimos para encontrar actions. Vamos usar essa action aqui (cliquem em Download e usem o Winrar para deszipar a pasta, depois instalem no Programa do jeito que eu ensinei na semana passada). 

Terceiro Passo: Depois de instalada e já com a foto aberta, você vai selecionar a foto com a Rectangular Marquee Tool e ela deve ficar assim:


Aperte Ctrl + C para copiar a foto original, assim se o efeito da action na foto não ficar legal você pode colá-la por cima ao invés de ficar desfazendo tudo o que a action fez.

Quarto Passo: Selecione a Action escolhida e aperte no botão de Play logo embaixo:


Quinto Passo: A foto deverá ficar assim:


Caso tenha gostado do resultado basta salvar (indo em File>Save As) ou se não, aperte Ctrl + V e tente de novo com outra action, até você ficar satisfeito com o resultado.

  • Editando uma foto com Colorização
Passo um: Voltando ao nosso passo inicial, abra uma nova imagem ou aperte Ctrl + V para partirmos da foto sem nenhuma alteração. É importante que quando você vá fazer uma edição numa foto que ela seja original e que não tenha sido editada anteriormente, pois isso pode gerar resultados diferentes. 

Passo dois: O bom da Colorização, como eu disse, ela não precisa ser instalada no Programa, apenas baixada para o seu computador. Portanto baixe essa colorização (vai ser necessário o uso do Winrar. Gostaria de lembrar também, que essa colorização - ao contrário da action - é de autoria própria, ou seja, eu a criei e não vai ser possível encontrá-la em nenhum outro lugar, portanto peço que não a repassem sem os devidos créditos - na época fiz para um tumblr de edição que dividia com uma amiga; que hoje não existe mais). 

Passo três: Uma vez com a Colorização baixada abra-a no seu Photoshop, clicando em Ctrl + O e selecionando o arquivo.


Clique em Abrir depois de selecionado o PSD.


A Colorização aberta no Programa, repare que ela possui duas camadas, uma da foto inalterada e outro da pasta contendo as edições feitas. Como a pasta se encontra acima da foto, o resultado que vemos no Photoshop é a foto alterada.

Passo Quatro: Esse passo é complicado de explicar a menos que vocês estejam olhando, então eu vou tentar: você vai clicar na aba da Colorização e arrastá-la para fora como tentei mostrar nas fotos:



É como se ela tivesse se transformado em uma nova janela do Photoshop. Eu posicionei ao lado da foto original por hábito, mas a posição em relação ao programa não importa (desde que não cubra a foto).

Passo Cinco: Do mesmo jeito que você arrastou a aba para fora, você agora vai clicar na pasta (no PSD da colorização) e arrastá-la para a foto que você quer editar.


Passo Seis: O resultado é que a pasta vai aparecer acima da sua foto e a foto vai parecer editada, com as edições contidas dentro da pasta. O resultado você vê abaixo:


Caso tenha gostado do resultado salve a foto (indo em File>Save As e selecione PNG ou JPEG) - ou você pode juntar todas as camadas (Shift + Ctrl + E) e apertar Ctrl + S. Se o resultado ainda assim não tiver lhe agrado basta clicar em cima da pasta e clicar na lixeira ali em baixo. Uma janela vai abrir perguntando o que você quer deletar e você clica em Groups and Contents.




O resultado é a foto como era antes.

  • Observações finais:
- Sempre guarde a foto original, para caso você precise usá-la para uma nova edição, por isso sempre sugiro ir em Save As ao invés de apenas Save, pois assim você salva como novo arquivo e não por cima do arquivo anterior.

- O Efeito Blue Sky é de autoria minha e eu uso bastante nas minhas fotos, espero que vocês gostem dele assim como eu gosto e também que não repassem sem os créditos.

- Procurem sempre por novos materiais para que vocês sempre tenham um leque de opções variados, actions e colorizações poupam tempo na hora da edição. Mas isso também não significa que é bom usá-los sempre: as actions possuem efeitos diferentes em cada foto e nem em todas vai ser um efeito bom, o mesmo vale para colorização.

- Te espero na semana que vem para aprender a editar sem os "filtros" prontos. Pretendo ensinar algumas edições assim como passos definidos, mas a verdade é que cada foto é única e exige uma edição diferente. Portanto depois de semana que vem não tenha medo de testar e brincar com as diferentes ferramentas que ele oferece. 

- Como sempre deixem suas dúvidas e comentários aqui embaixo, irei responder todos <3

Até quarta-feira que vem com mais Photoshop 101.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Resenha: O Livro do Bem



Ok, admito, estou devendo esse post há meses (ainda que ninguém soubesse que eu sequer o estava planejando). Lá atrás quando comprei O Livro do Bem e fiquei deslumbrada tratei de pegar meu caderno do blog e deixar lá bem grande Fazer Resenha do Livro do Bem, mas o tempo foi passando e eu fui enrolando e decidindo falar sobre outras coisas. Mas hoje dando uma geral aqui no quarto encontrei esse livro de bobeira, no meu armário. E decidi que tava na hora de compartilhar com vocês a minha experiência com ele.

Sempre fui muito fã de livros interativos. Acho a ideia incrível e super criativa (e sim eu tenho Destrua o seu Diário) e fuçando a internet achei esse Livro do Bem. Não perdi tempo: entrei no site da Saraiva e na hora comprei um exemplar pra mim. Mas, afinal o que é esse tal Livro do Bem e porque ele tem esse nome?


Primeiro que O Livro do Bem é uma criação de duas meninas: a Ariane Freitas e a Jessica Grecco que juntas também são donas da Página do Face Indiretas do Bem e foi graças ao sucesso estrondoso da página que as duas se juntaram para fazer um Livro puro amor, O Livro do Bem. 

A ideia do livro é que sirva de distração para quando você estiver sem nada para fazer, ou quando precise ocupar a mente ou simplesmente se quiser conhecer a si mesmo um pouco melhor. Eu amo livros que me propõe coisas novas e ele faz muito isso - te lembra de músicas que você gostava e deixou de ouvir, de amizades próximas que você não se deu conta do quanto significavam e faz você se apaixonar pelas pessoas (e por si mesma) a cada página virada. Eu não sei explicar sem mostrar pra vocês então espero que as fotos que eu tenha tirado falem por si mesmas. 




O livro estimula a sua criatividade e a vontade de inventar cada vez mais e acho que é por isso que mesmo nas páginas em branco você as vê como uma oportunidade de experimentar mais uma vez e brincar e colocar algo importante.

Super indico para artistas que buscam uma distração fácil que não exija tanto. 


Se ficou com vontade de saber mais, sem problemas, dá uma olhada no Booktrailer para saber um pouquinho mais sobre a proposta do livro e entre no site para receber mais informações e ideias para seus projetos. Espero que tenham gostado do Livro do Bem tanto quanto eu gosto, me digam nos comentários o que acharam. Vocês já tem o seu? Gostam de Livros Interativos? Me contem.


sábado, 23 de maio de 2015

Dia a Dia: Faculdade de Moda



Há alguns meses eu andei coletando dúvidas na internet sobre o curso Design de Moda. Queria ver o que as pessoas achavam do curso, se tinha interesse, o que queriam saber e etc. A verdade é que vinha empurrando esse post pra depois porque queria esperar o final do primeiro período de faculdade, mas uma mudança nos planos me fez vir aqui escrever sobre isso.

Pra ser sincera, o Curso de Design de Moda no Rio só está disponível nas faculdades particulares - ou seja, naquelas que tem que pagar; nenhum das públicas oferece - e o meu problema é que minha família começou a passar por problemas financeiros bem sérios e o dinheiro que ia para a faculdade (que não era barata) teve que se reverter para que a gente pudesse pagar as contas, comida e etc. Resultado: fui forçada a trancar a matrícula. Mas tudo bem... A gente segue com a vida, tive uns meses pra me acostumar com a ideia e agora é cabeça erguida. 

Consegui uma vaga para cursar Design na UFRJ no segundo semestre e pelo menos ainda vou trabalhar com algo que me interessa, o que é uma boa notícia. Mas no final não queria jogar a experiência no lixo e muito das perguntas que me fizeram eu já tenho certa base para responder - até porque no Senai tive a oportunidade de trocar ideias com vários professores, palestrantes e o coordenador do curso (que é um amor de pessoa). O post de hoje vai ser uma série de perguntas e respostas que fui recebendo, mas pensei em fazer um segundo post sobre isso mostrando os meus livros da faculdade e o material utilizado. Assim quem quiser ter uma ideia do que é estudado antes pode comprar os livros e dar uma olhada, ou procurar na internet sobre.

  • Por que você escolheu este curso? O que te motivou?
Eu sou uma pessoa complicada. Eu nunca gostei muito das matérias do colégio. Na verdade não é nem isso, não é que eu não gostava: eu adoro história, geografia e até matemática, mas não me via trabalhando com nada disso. Eu sempre gostei muito de escrever, desenhar e descobrir coisas novas. Tudo que se relacionava ao artístico ou ao uso da criatividade de alguma forma me atraia (edição, fotografia, teatro...) e ao longo da minha vida fui considerando várias opções de curso; mudei bastante de ideia (o que significa que tudo bem não saber ainda o que se quer). Cogitei fazer jornalismo, letras, cinema, artes cênicas e design. No entanto, o Design que eu queria era moda porque sempre fui apaixonada por isso. Sempre gostei de combinar tecidos, cores e texturas e passava muito tempo da minha vida pensando nisso. Já gostava de desenhar, o que era um pró, que me empurrava nessa direção e ao final do terceiro ano acabei me decidindo por isso mesmo. E acho que foi tudo isso somado que acabou me motivando.

  • Você se inspirou em alguém na hora da escolha?
Não diretamente. Acho que, talvez, tenha me inspirado  nos profissionais da área. Lembro de acompanhar muito os desfiles, entrevistas, programas de moda e pensar: é isso que eu quero pra mim. Mas ninguém que eu conheço fazia parte desse mundo ou sequer conhecia o curso direito. 

  • Quais são as matérias do curso e qual a sua favorita?
Vou me basear nas matérias do primeiro período. Assim que você entra no curso (no caso no Senai, a grade muda de uma faculdade pra outra) você recebe uma grade fechada com nove matérias. E no primeiro período temos mais matérias teóricas que práticas (embora muitos professores tentem ensinar de um jeito mais dinâmico), mas o nosso coordenador disse que ao longo do curso isso se inverte. No primeiro período são três matérias práticas (Draping - modelagem, Desenho e Fundamentos da cor - que é parte teórica e parte prática) e seis teóricas (Fundamentos do Design - história de como começou o design, Indumentária I - história da roupa, Psicossociologia da Moda, História da Arte I, Metodologia Visual - estudo da visão e Comunicação Oral e Escrita - redação). Eu gostava de todas as aulas. A que eu tinha mais dificuldade era Draping e as que eu mais gostava era Psicossociologia da Moda, Fundamentos do Design e Desenho. 



Croqui que eu desenhei em um dia de bobeira


  • Como é o mercado de trabalho?
Não tive experiência com o trabalho em si, mas a partir de palestras, alunos mais avançados e do nosso próprio coordenador posso passar uma ideia do que eles disseram. O mercado de trabalho é exigente. Diferente da maior parte dos estágios (de outros cursos) em moda a quantidade de serviço vai se acumulando, você tem que estar disposto a fazer várias coisas e tudo muito rápido, por isso quase sempre exigem experiência. Um dos motivos do porque é tão difícil de se inserir, não vou mentir. Então é bem complicado, você precisa ter jogo de cintura e saber fazer contatos, pois isso é o que vai fazer a verdadeira diferença, então aproveita enquanto não estiver trabalhando pra ir em eventos, para conversar com os professores e profissionais da área e etc, porque no final isso vai pesar pro seu lado.

  • Como tem lidado com esse curso?
É muito trabalho, muita matéria para estudar, muitos capítulos/textos para ler e em pouco tempo, aliás como é em qualquer faculdade. Alguns trabalhos são mais divertidos (embora trabalhosos), outros você tem que quebrar a cabeça. Muito do curso é organização, especialmente na hora dos trabalhos, você precisa fazer algo bem feito, precisa estudar. Para alguns é preciso fazer com antecedência e é importante não deixar as aulas práticas de lado. Não pense que só porque é Desenho, não precisa estudar. Não. Você vai sim, ter que tirar dias para treinar desenhos, treinar silhueta, treinar partes do corpo, treinar objetos, treinar observação e etc. O mesmo pros trabalhos com tintas. E as leituras são leituras certo? Você vai ter que ler capítulos, textos e saber adaptá-los na hora da prova e/ou trabalhos do seu jeito. Não entre achando que é fácil, porque não é.

  • Com o que é possível trabalhar depois?
O mercado de moda é amplo. Você pode trabalhar com costura ou modelagem (que são diferentes entre si), como você também pode trabalhar com a parte criativa e criar os croquis (desenhos) e estabelecer os tecidos e as paletas de cores. Ou você pode trabalhar com produção (editoriais de revista é um exemplo), fotografia de moda ou jornalismo de moda. 

  • Ana, eu quero fazer jornalismo de moda, qual faculdade eu devo cursar? Jornalismo ou Moda?
Eu penso que pra quem quer jornalismo de moda, já tem um foco muito claro. Quer trabalhar com a escrita, com o jornalismo em si (só que focado em moda, certo?). No curso de Moda você vai passar por matérias que tem a ver com tudo, você vai ver um pouco de fotografia, um pouco de costura, um pouco da história - ou seja é uma faculdade que te prepara para tudo dentro das possibilidades de emprego do curso. Para quem já quer uma coisa muito focada na escrita (no caso do jornalismo) eu sugiro que faça a faculdade de jornalismo e se especialize em moda. Pois assim você vai se preparar melhor na hora de escrever os seus artigos. Admito que muitas matérias dento do curso de Moda não vão atender tanto as suas expectativas na hora de trabalhar. Até porque pra jornalismo de moda você não precisa saber modelar ou desenhar, por exemplo. Coisa que outros trabalhos exigem.

  • O que vocês fazem nas aulas?
Nas aulas teóricas é como qualquer aula normal. Você senta na sala e ouve o professor explicar sobre determinado assunto, às vezes usando os slides, às vezes anotando no quadro e etc. Nas aulas práticas, cada uma é diferente da outra. Temos uma sala própria pra cada uma e as turmas são divididas em duas. Em Draping você aprende modelagem tridimensional, você vai usar o manequim e tecidos e vai modelar as roupas no manequim, aprendendo a fazer o formato e etc. Em Fundamentos da Cor, meu professor alterna entre uma aula teórica e uma aula prática. Nas aulas teóricas ele explica a matéria e nas práticas a gente vai fazer o que aprendemos na teoria: tem muito uso de tinta, lápis de cor, giz pastel e colagens (recortes de revista e etc). Nessa aula você vai aprender os diferentes pigmentos da tinta, você aprender a iludir a partir do material usado(por exemplo, fazer uma cor parecer duas e etc), você vai estudar a harmonia das cores e etc. E em Desenho, obviamente, você vai aprender a Desenhar. Ele vai te dar um exercício, no geral, você vai precisar copiar um objeto que vai estar no meio da sala - e aí você vai precisar saber organizar a partir do seu ponto de vista.

  • Precisa ter alguma habilidade básica como saber desenhar ou costurar?
Não, não é preciso. Claro, que quanto mais você souber melhor vai ser pra você, pois algumas aulas realmente será mais fácil. Tinha gente na minha turma de desenho que não sabia nada de desenho e gente que já desenhava há algum tempo (como eu, por exemplo) e todo mundo foi capaz de ir desenhando e aprendendo, claro que alguns precisaram de mais prática e treino. Mas isso é normal em todo lugar: até no colégio, alguns sabem bem matemática, outros não. É a mesma coisa. O mesmo ocorre com Draping, quem já sabe costurar, pode não saber a modelagem tridimensional, mas vai ter certa facilidade na hora de aprender do que quem nunca mexeu com isso. Mas quem nunca mexeu também vai conseguir modelar e aprender. Então, não é preciso, mas se você puder fazer um curso à parte: melhor. Se não, vai aprendendo ao longo da faculdade porque dá também. Algumas faculdades não oferecem matéria com corte e costura, outras oferecem, aí vai depender da sua grade de aula se você tiver que aprender dentro ou fora dela.

  • Quanto tempo dura?
São sete períodos de curso o que dá uma média de três anos e meio à quatro anos de curso (baseando-se no Senai).


Potes de tinta da Tallens, cada pote custa em torno R$12,00.


  • Vale a pena? "Ana, eu faço direito, será que vale a pena trocar por Moda?"
Aqui no Brasil é muito difícil você encontrar faculdades públicas que ofereçam definitivamente todos os cursos disponíveis no mercado (a Usp oferece moda, já a Ufrj não). E não tem uma procura muito grande pra cursos artísticos, em parte porque não há tanta divulgação: o foco acaba mesmo pesando pra direito, engenharia e medicina. E porque ainda tem certo preconceito em relação aos cursos relacionados às artes. Qual a dificuldade que o aluno que quer moda vai encontrar? Se você morar no Rio, por exemplo, só tem em faculdade particular e as mensalidade não são baratas. Eu não vou mentir, é um curso muito caro. Além da mensalidade ser cara, os materiais também são. Não só os livros (que aí você escolhe se quer ou não comprar) como os materiais pras matérias práticas. Material de Desenho (de qualidade) é muito caro. Meus potes de tinta são da marca Tallens, são pequenininhos e custam uma média de R$12,00 por potinho. Ou seja, você vai sim, gastar muito dinheiro. Fora o material de apoio, quanto mais você ler sobre o assunto, melhor. E livro de moda não é barato. Eu tenho um livro sobre a história da moda que nem é tão grande e custou R$89,90. Se ele tiver 250 páginas é muito. Então na hora de decidir, leve sim em consideração o dinheiro, porque não é pouco. Agora se você quer saber se deve ou não deixar alguma faculdade por Moda, você precisa pensar se, primeiro: a faculdade que você está cursando é realmente o que você quer, segundo: se a resposta foi não, se moda é o que você quer (porque como eu já disse, não é um curso fácil) e, finalmente, terceiro: se vai valer a pena considerando todas as dificuldades do curso. Mas o que eu digo sempre é: se você puder, faça aquilo que gosta. Eu deixo Moda, mas vou cursar Design que é algo que eu gosto também. Fazer algo por fazer, ou por dinheiro ou para agradar alguém não vai dar certo.

  • Cursos online de Moda são uteis ou não serve pra nada?
Eu nunca fiz nenhum curso online de moda, mas o que eu sugiro você fazer: primeiro pesquise sobre a instituição que oferece esse curso online, veja se ele tem as qualificações necessárias para tal (se você vai receber diploma, por exemplo) e converse com pessoas que fizeram para saber como era. O Senai (que foi a faculdade que eu fiz) oferece cursos à distância também e muita gente que fez diz que é bom; eu até tive uma palestra sobre isso e no do Senai você tinha por exemplo, aula toda semana e cada professor passava dever de casa, então às vezes você tinha que ler tantos capítulos para a semana seguinte. É bem puxado, é tratado tão sério quanto o curso presencial.

  • Qual a diferença entre Design de Moda e Moda?
As diferenças de cada curso para cada faculdade vai depender da faculdade em si e qual o foco que elas pretendem dar para o seu curso. O Senai chama de Design de Moda porque ele se preocupa muito com o desenvolvimento da parte criativa, o processo desde o início até o produto final e etc. O Design é algo relativamente novo, então ele sugere toda a preocupação com a estética, a parte de fora, que a gente vê e o Senai pensa muito nisso focado na Moda, claro. No curso de Moda eu acredito, que se preocupe mais com a Moda e não tanto com o Design, mas isso vai variar de curso pra curso. E o importante é você entender que a essência não muda: é como quando você diz curso de mídias de tv, radialismo e cinema. É o mesmo curso com enfoques diferentes, priorizando certos aspectos e etc. 

  • Como foi seu primeiro dia de aula? Tem dicas para quem está começando?
O primeiro dia de aula foi o primeiro dia normal. Cada um se apresentando, cada professor falando um pouco sobre a sua matéria e as expectativas ao longo do período. E na realidade, isso se estende ao longo da semana: porque na faculdade você vai ter dia que vai ter uma matéria apenas, outro que vai ter três e assim vai. A minha dica é preste atenção desde o início, procure sempre praticar tudo o que você aprender e não tenha medo de fazer perguntas ou de conhecer as pessoas. Muita gente acha que quem faz moda é metido ou fútil e não tem nada disso. Conheci meninas incríveis durante esse meu tempo por lá e admiro todas elas.



Foto que tirei da revista Marie Claire, porque achei o editorial tudo a ver com a ideia do Design.


  • Como foi a sua experiência?
Foi bem diferente da do colégio. O nível de maturidade é maior, o que não significa que você não vai encontrar gente imatura ou que ainda acha que está no ensino médio, isso tem em qualquer lugar (e no primeiro período é compreensível, pois muita gente acabou realmente de sair do colégio). Os métodos de cada professor são muito diferentes entre si, cada professor tem o seu jeito e o seu estilo de aplicar prova. Eu tive professor que abria a prova uma aula antes e debatia as questões com a gente, mas suas perguntas exigiam respostas completas e bem preparadas. As provas das aulas práticas são uma experiência totalmente nova, pois a avaliação é dada no dia e ao longo do período. Meu professor mandava um desenho no dia da prova (o qual ele não ajudava ninguém) e pedia para entregar todos os desenhos que você tinha feito em sala (e até mesmo, se tivesse, os treinos feitos em casa) e aí sua nota ia partir da sua "evolução" ao longo do período. Como eu disse também, os horários são loucos: tinha dia que minhas aulas começavam às 7:20 e tinha dia que começava 10:00. Tem dia que eu saia 12:00, outro saia 11:20 e na sexta só tinha três tempos de uma aula e era liberada às 10:00. Mas no geral foi bem libertador, poder estudar definitivamente apenas matérias que iriam ter alguma coisa a ver com o meu futuro, de um jeito ou de outro e que eu gostava. Os professores eram muito bons, sempre buscando facilitar o nosso entendimento, trazendo material novo pra gente ver, ajudando e etc. E também, como eu já disse, as meninas que conheci foram maravilhosas. Foi muito bom poder dividir esses últimos meses na mesma sala com elas, dividir os intervalos nas cafeterias e todas foram muito simpáticas e foi realmente muito bom poder lidar com gente nova. 


Por fim, a faculdade de moda é trabalhosa, mas se feita direito pode ser muito legal também.

E é isso galera, espero que tenham gostado e que todas as dúvidas tenham sido tiradas com sucesso, haha. Ainda vou voltar a falar sobre isso para mostrar os livros que eu comprei para a faculdade e dizer um pouquinho sobre eles e o que eu achei de cada um. Darei os preços e se vale ou não a pena comprar. Deixem nos comentários suas dúvidas que não foram tiradas aqui, me digam o que acharam e o que mais vocês esperam ver pelo blog. 

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Photoshop 101 - Instalando materiais no Photoshop + Conhecendo o Programa


Vocês conhecem essa foto e hoje é quarta-feira, portanto sabem o que significa. É dia de mais um post sobre o Photoshop. Na primeira vez que vim aqui falar sobre isso, fiz um dicionário sobre os termos usados no programa. E a minha ideia hoje era já começar com os tutoriais de edição, porém eu esqueço que a maior parte das pessoas que me acompanham (ou vão me acompanhar) provavelmente estão começando do zero: sem material, sem saber o que é cada ferramenta e até sem sequer ter o programa. 

Caso você não saiba como instalar o Photoshop, então eu vou tentar ensiná-lo aqui rapidamente, mas não vou poder fazer um passo a passo, pois isso exigiria deixar esse post longo demais. E além do mais as instruções são bem simples e tudo o que você precisa já está dentro do arquivo. Bom, primeiramente você precisa ter o programa Bit Torrent baixado no seu computador. Depois você vai acessar esse link do pirate bay e clicar em Get This Torrent - talvez abra uma janela perguntando se pode iniciar um aplicativo, só aceitar. Depois de baixado o arquivo (é provável que você precise do Winrar para caso a pasta venha zipada -.zip ou .rar) você vai entrar na pasta Adobe Cs5 e clicar Set up e começar a instalação do programa - instale como trial (versão teste). Uma vez com o programa instalado você vai abrir o bloco de notas com o título Installation Notes e seguir os passos. E pronto. O documento vai estar em inglês, mas não é muito difícil de entender - e você sempre pode ir no Google Translate.

Agora que você já possui o programa no seu computador está na hora de abrí-lo e conhecê-lo.


Esse é o Photoshop assim que é iniciado. Antes de abrir qualquer coisa eu vou explicar o que cada área significa.


As partes dentro dos retângulos vermelhos são as ferramentas do Photoshop. Você vai utilizar ambos os quadros na hora de editar suas fotos e/ou criar as suas montagens. Você pode ver que no retângulo maior existem 4 áreas na parte de cima: Layes, Styles, Color e Info. E duas na parte de baixo: Character e Paragraph. Além disso na barra do lado tem três simbolos: um quadrado com um play dentro, um círculo metade preto, metade branco e um quadrado com um círculo dentro. 

No post anterior eu expliquei o que Layes e Styles significam. Color é onde você define a cor que você vai usar, seja na sua fonte, com o balde de tinta ou as Brushes (já, explico o que elas são). Já o Info, nós não vamos usar então é irrelevante. Character é onde você vai definir a fonte que você quer, o tamanho, a cor, se quer inclinado ou não, sublinhado, negrito e etc. Você também pode alterar o espaçamento entre uma linha e outra e entre uma letra e outra. Já o Paragraph são as características do texto em si, justificado, alinhado à esquerda ou à direita, centralizado e etc. 

Agora para falar dos três pequenos símbolos:


Essa é a caixa de actions. Se você não sabe o que são as actions então vá no post anterior ler sobre elas. Uma vez instaladas no seu programa é clicando nessa caixinha que você vai poder utilizá-las e escolher a que melhor se encaixará na sua foto.

Já os outros dois eu vou deixar para tratá-los quando abrirmos uma foto, no momento eles não servem pra nada. Mas por enquanto basta saber que um se chama Adjustments (e por ele você vai poder conduzir suas edições, aumentar o brilho, contraste e etc) e outro se chama Masks. 

Quanto a segunda barra dentro do retângulo: ali você vai encontrar todas as outras ferramentas necessárias do Photoshop.

Para selecionar os diferentes tipos de cada ferramenta basta clicar com o botão direito do mouse em cima daquela escolhida. Como podem ver existem várias variações da mesma ferramenta, mas é porque cada uma é pensada para ser usada em situações diferentes. A Varinha Mágica (Magic Wand Tool) por exemplo seleciona fundos que tenham um mesmo tom. Enquanto que a lasso seleciona apenas a parte que você quer recortar. Mas isso vocês vão entender a medida que os tutoriais forem chegando.

Existem outras ferramentas de edição que eu pretendo explicar quando abrirmos uma foto. Lembra do Adjustaments? Pois, é.

E com isso termina todos os símbolos dos quadrinhos. Agora vou repassar por alguns comandos básicos do Photoshop.

Abrindo um arquivo (seja ele uma imagem, um psd, ou qualquer outra coisa): Vá em File > Open e selecione o que você quiser abrir. Ou simplesmente aperte Ctrl + O. 

Criando um novo documento: Vá em File > New ou aperte Ctrl + N. Uma nova janela irá abrir:


Onde está escrito Untitled é o nome do seu arquivo, você pode mudá-lo. Preset é onde já tem os tamanhos já definidos assim você não precisa editá-los no Width (largura) e Height (Comprimento), basta selecionar um e dar ok. Como já disse Width e Height é onde são definidos a largura e o comprimento (nessa ordem). Background Contents é onde você vai escolher a cor do fundo do seu arquivo: branco, colorido ou transparente. Para nós apenas esses interessam. 

Para fechar uma janela: Vá em File > Close ou aperte Ctrl + W. 

Para fechar todas as janelas: Vá em File > Close All ou aperte Alt + Ctrl + W.

Para Salvar as alterações feitas em um documento: Vá em File > Save ou aperte Ctrl + S.

Para Salvar como um novo documento: Vá em File > Save As ou aperte Shift + Ctrl + S.

Para desfazer a últimas modificações feitas: Vá em Edit > Undo ou pressione Ctrl + Z. Para desfazer além da última alteração aperte Alt + Ctrl + Z  e continue apertando até chegar no lugar que deseja.

Para refazer algo que desfez: Vá em Edit > Step Forward ou aperte Shift + Ctrl + Z.

Para Copiar/Colar: Ctrl + C/ Ctrl + V

Para criar uma nova camada: Vá em Layer > New > Layer ou aperte Shift + Ctrl + N.

Para juntar duas camadas: Vá em Layer > Merge Layers ou aperte Ctrl + E.

Para juntar todas as camadas visíveis: Vá em Layer > Merge Visible ou aperte Shift + Ctrl + E.

Esses foram todos os comandos mais importantes e que vocês mais vão usar aqui comigo, mas não se preocupe depois de um tempo isso vem naturalmente. E agora a última parte do programa que é importante saber: Como instalar materiais.

Primeiro vocês vão precisar baixar um material para o seu computador. Vamos começar com uma action. Cliquem aqui e baixem esse grupo de actions de estilo retrô (retiradas desse site). Vai ser necessário o winrar, pois o arquivo está zipado. 

Para começar deszipe a pasta e abra-a.

A pasta deve conter esse arquivo. 

Copie ou Recorte o arquivo da pasta. Em seguida vá em Computador > Disco Local > Arquivos de programas (x86) > Adobe > Adobe Photoshop Cs5 > Presets > Actions. Dentro da pasta Actions você cola o arquivo. Pronto. Sua action está instalada. Você vai fazer a mesma coisa para outros materiais: fontes na pasta de fontes, gradientes na pasta de gradientes, styles na pasta de styles e assim vai. Caso ainda haja dúvida basta seguir a foto abaixo.

Depois de Ir em Computado e Disco Local, clique em Arquivos de Programas (x86)


Dentro dessa pasta clique em Adobe que deverá estar no topo da lista.

Procure a pasta da versão em que você pretende instalar (no caso aqui, Adobe Photoshop Cs5).


Dentro da pasta do programa tem que ter uma pasta chamada Presets. Clique nela.


No caso aqui estamos instalando uma action, portanto entre na pasta de Actions, mas note que existem várias outras, cada uma para um tipo de material diferente.


Uma vez dentro da pasta, clique com o botão direito do mouse e em seguida em colar (na foto tá cinza porque no caso, já tinha instalado, mas se vocês tiverem copiado o arquivo lá no início então o Colar vai aparecer em preto pra vocês).


A action instalada no meu Photoshop. Agora basta vocês entrarem no programa de vocês e verem se foi instalada corretamente.

Uma última coisa, no caso das Actions nem sempre é preciso ir na pasta e colar o arquivo, existe um jeito mais fácil que eu vou explicar agora. Porém preferi mostrar esse jeito de instalação porque a maior parte dos materiais é necessário que faça dessa maneira. Agora o jeito fácil de instalar actions:

Com o Photoshop aberto abra a caixa de actions (lembra? o símbolo com o play dentro?) e clique na setinha lá no canto da caixa aberta, como mostra no print.


Clique nela e vai aparecer uma janela.


Clique em Load Actions (lá no final) e em seguida vá na pasta em que a action que você baixou está salva. Selecione-a e pronto. Sua action estará no seu programa.

Espero que tenham gostado da nova edição do Photoshop 101. Eu sei que o post ficou longo, me perdoem por isso. Semana que vem sem falta trarei o primeiro tutorial. Com esse post encerro a parte de "Conhecendo o Photoshop" e todos os macetes iniciais para aprender a mexer, daqui pra frente tudo o que eu falar vocês já vão saber e só precisarão vir consultar esse ou o Dicionário caso esqueçam de alguma coisa. 

Deixem nos comentários suas dúvidas (se tiver alguma), quais edições vocês gostariam de ver e sugestões num geral.