RESENHA: 13 REASONS WHY (SEM SPOILERS)

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Eu não ia fazer resenha sobre 13 Reasons Why, mas após terminá-la ontem eu tinha que vir contar pra vocês o que eu achei. A série foi baseada em um livro de nome homônimo chamado Os 13 porquês. Eu ainda não li o livro, portanto essa resenha se focará nas minhas impressões sobre a série, apenas. Duas coisas mudaram depois que eu vi essa série: ela me marcou muito pela sua temática difícil e acabou se tornando uma das minhas séries favoritas (apesar de muito dolorsa de assistir - vou explicar mais embaixo).

Se você ainda não conhece a história aqui vai: Clay Jensen (Dylan Minette) é o nosso protagonista. Um belo dia ele encontra uma caixa com fitas cassete em sua casa e quando ouve pela primeira vez, tem uma surpresa: Hannah Baker (Katherine Langford), nossa outra protagonista, uma menina que havia se matado semanas antes, gravou 13 fitas contando seus motivos que a levaram a tal ponto. E como ela mesma explica, "se você está ouvindo isso, então você é um dos motivos". Começa então a busca da verdade por Clay sobre o que realmente aconteceu com a Hannah; ele tenta descobrir a todo momento se tudo o que ela fala nas fitas é verdade e é claro que os outros personagens também presentes tentam impedir - por medo de terem seus segredos revelados. 





A história aborda temas extremamente complexos e delicados como suicídio adolescente, bullying dentro das escolas, a fragilidade dos departamentos de auxílio aos estudantes, machismo, slut shaming, abusos por parte de familiares e muitas das coisas que os adolescentes (e principalmente, as meninas) frequentemente lidam dentro do ensino médio. Se você passou por isso e ainda carrega dentro de si cicatrizes do que aconteceu, sugiro que vá com calma. A série possui gatilhos poderosos que são capazes de te fazer relembrar o que passou, sim - algumas coisas são tão pesadas que é preciso tomar um minuto, pausar o episódio e respirar fundo antes de continuar. É bem doloroso, mas ao meu ver, também é necessário.

É necessário que as pessoas conheçam essa série, pois ela fala de assuntos que frequentemente não queremos falar em voz alta, assuntos que muitas vezes são menosprezados pelos pais, pelos próprios funcionários dentro da escola; São aquelas temáticas que ninguém gosta de lembrar que existe ou pensar que pode acontecer com alguém que a gente conhece. 


 ATUAÇÃO E PERSONAGENS

A escolha de elenco foi muito bem feita e os atores escolhidos me surpreenderam - a maioria desconhecido, com exceção de Dylan Minette, que havia feito Goosebumps, no cinema. As atuações foram muito boas (palmas para Katherine Langford que interpretou Hannah Baker, com maestria), pois todos os personagens envolvidos em alguns momentos da série tem os seus pontos de conflito. Todos eles (bem, quase todos) nos mostram uma parte de suas vidas que é real demais e dolorosa demais também, então mesmo que eles sejam um dos motivos, você também é capaz de se identificar e sentir pena deles em certos momentos. Afinal: são todos adolescentes e ninguém é completamente cruel ou mau (apesar de haverem atitudes bem cruéis ao longo da série, por parte desses personagens). Outra coisa que eu achei incrível nessa série foi a diversidade no elenco, não estou falando daquele elenco cheio de brancos com um personagem negro. Aqui temos personagens com biotipos diferentes, temos asiáticos, temos negros, temos brancos... foi a representação mais fiel de alunos em um ensino médio que já vi. 

Aliás, 13 Reasons Why foi a representação mais fiel sobre o que é o ensino médio, que eu já vi. Algumas pessoas vão achar que as situações mostradas são exageradas, que não acontece daquele jeito, mas acontece sim. Eu identifiquei várias situações dentro do colégio que eu estudei, e não necessariamente comigo, mas com vários colegas, várias amigas e amigos... Eu vi acontecer. A série não precisa exagerar fatos e se você acha que ficou forçado, então, colega, você precisa ler mais reportagens sobre adolescentes dentro do ensino médio - ou talvez tentar, você mesmo, se recordar de como era no seu, e não apenas para você... mas como você tratava os outros ao seu redor?

Os personagens foram construídos em cima de situações que acontecem frequentemente; nem os populares se salvam. Aliás uma coisa que eles fizeram muito: foi desconstruir personagens a que estamos acostumados. A menina popular que passa por problemas e vai se perdendo ao longo da série, o menino popular que entra em conflitos internos com ele mesmo, o menino popular que se sente sozinho, o nerd que não liga para a opinião dos outros, o atleta que é gentil, o menino inteligente e carismático, que na verdade é um babaca... você vai se surpreendendo com a maioria das facetas que a série vai mostrando; a cada episódio você encontra novas pessoas para odiar (e vice versa, para deixar de odiar também - e pra mim, essa foi uma genialidade da série, pois ninguém é totalmente escroto, ou totalmente legal. As pessoas possuem pontos altos e baixos e algumas situações por mais cruéis que sejam, é o que mais acontece de forma casual, como por exemplo: você se afastar de uma amiga com o passar do tempo. Às vezes você não sente falta da amizade, mas e se ela sentir?). 

A série brinca com nossas emoções, jogando na nossa cara o tipo de mundo doentio que a gente vive. É fácil você se esquecer que a Hannah morreu ao longo dos episódios e então sempre que é comentado, você sente a dor toda de novo. É como se você passasse por um luto específico de novo, e de novo, e de novo. 





A HISTÓRIA E O DESENVOLVIMENTO

Como eu falei acima: a história aborda temáticas pesadas, difíceis de lidar. Cada episódio a gente vê um novo problema comum no ensino médio. Eles também tratam a série com um teor crescente: os primeiros episódios são os mais "leves" e a medida que você vai avançando nas fitas junto com o Clay, as situações vão escalando e ficando cada vez piores. Eu achei que a história foi muito bem feita, souberam introduzir o passado e o presente (e diferenciá-los de uma forma bem sutil) de uma maneira quase natural - isso também contribui para que você esqueça que a Hannah morreu. Além disso as relações entre os protagonistas foi muito bem construída; é real, é palpável. Poderia muito bem ser você e seu melhor amigo do ensino médio ali, poderia ser você e a pessoa que você gosta ali. Você se identifica com uma facilidade absurda e mesmo que você não tenha passado pelas situações demonstradas, ainda assim vai reconhecer em seus amigos alguns dos personagens apresentados. 

Os pais da Hannah representam um grande momento da história. Me contaram que eles nem aparecem no livro, porém a maneira como eles conseguiram inseri-los na história fez toda a diferença. Eles assumem uma postura de luta, de tentar entender o que aconteceu e de buscar justiça pelo que houve com a sua filha - e ao mesmo tempo que eles fazem tudo isso, a série não deixa de mostrar também a culpa que eles carregam, por isso tudo ter acontecido sem que eles sequer percebessem. A mensagem que fica é para os pais prestarem mais atenção nos sinais; poucas pessoas sabe, mas suicidas são pessoas que planejam às vezes com meses de antecedência o que vão fazer. É muito raro ter suicidas impulsivos, aqueles que se matam por impulso. A pessoa suicida já tem pensamentos frequentemente sobre isso, se programa e se planeja para conseguir por em prática. Por isso é importante que os pais, os professores, a escola em si, reconheçam os sinais e as atitudes para que impeça que isso aconteça e para que não haja mais Hannah Baker's no mundo. 

Também achei primordial eles nos apresentarem o descaso feito da escola, tentando a todo momento acobertar o Bullying sofrido pela Hannah, por medo de mancharem a reputação do colégio. O diretor assume quase sempre uma posição defensiva. Ele não é o único. Constantemente você tem a sensação de que o único que se importa com o que aconteceu foi o Clay; como se os outros só estivessem preocupados com si mesmos e mesmo assim é possível ver o impacto que a morte da Hannah teve em cima de todos os personagens ao longo dos episódios. Como se a culpa de todo mundo fosse aumentando, como se todos sentissem o peso que suas ações tiveram na vida de alguém.

E essa é a grande mensagem passada: nossas atitudes, por menores que seja, podem desencadear grandes consequências. O objetivo é de fazer as pessoas refletirem não apenas sobre uma realidade dos colégios, como também nas nossas próprias relações pessoais, em como a gente age com nossos amigos, com nossa família e com as pessoas ao nosso redor. Será que já fui o porquê de alguém? Será que você já foi? É difícil passar por 13 episódios sem ao menos se perguntar isso alguma vez. 

Atenção: a partir do episódio 9 existem cenas de alto teor violento que podem servir de gatilhos fortes para pessoas extremamente sensíveis que já passaram pelas situações demonstradas na série. A própria netflix se vê obrigada a mostrar um aviso antes do episódio começar (e depois em outros mais a frente), então vou repetir: vai com calma. 

Apesar disso, acho importante que a série seja vista; acho necessária para todos que querem entender os verdadeiros efeitos do bullying na vida dos personagens (e não apenas da Hannah). 


A TRILHA SONORA E A FOTOGRAFIA

Joy division, The Cure, The Call... as músicas melódicas e tristes vem em peso com bandas icônicas que retratam muito bem as cenas. Eu fiquei especialmente marcada pela música da Selena Gomez (a produtora da série), Only you, pois a melodia é bem leve e as letras são poderosas. A cantora se superou em uma música completamente emotiva demarcada em uma das cenas mais emocionantes da série. É impossível não se sentir tocado quando ela entre devagar e vai aumentando seu ritmo, a medida que a gente vai vendo os "desfechos" acontecendo. 

E a fotografia foi uma das partes mais bonitas da série: eu adorei como eles relacionaram as cores frias para o futuro (onde a Hannah estaria morta) e as cores quentes para o passado (em que ela estaria viva) - talvez fazendo uma ligação sutil entre a nossa percepção de vida e morte. O clima mostrado pela série é realmente muito adolescente, é uma série teen e a paleta é focada nisso, e vemos nos primeiros episódios mais cores até que mais pro final a paleta fria traz um aspecto mais sombrio. Como se o clima na série fosse mais vazio e sem vida, a medida que vai caindo no nosso entendimento de que está acabando; a Hannah realmente morreu. É nos últimos segundos que cai realmente a ficha de que acabou, que ela não vai voltar (nem mesmo para um último flashback) e que nada foi feito para que isso fosse impedido. 

Dá aquela sensação de amargo na língua e a garganta fica um pouco fechada.


CONCLUSÃO

13 Reasons Why é uma série emotiva, dramática, difícil de assistir e aceitar. Você vai se sentir mal, incomodado, triste, com raiva em diversos momentos da série. Você vai sentir exatamente o que a personagem sentiu com as cenas mostradas. Você vai sofrer. Não é uma série bonita, não é uma série agradável de se assistir, não é engraçada e não é uma história de amor. E principalmente: não tem um final feliz. E ainda assim, é uma série que todos deveriam ver. 

Quando você chega no último episódio, se possível, você se sente pior. No último episódio vemos o ápice das consequências da morte da Hannah em cima de alguns personagens, nós vemos eles encarando as consequências  do que eles fizeram, vemos eles lidando com seus próprios problemas...

Não há um desfecho. Porque esse é um tema que nunca acaba, ele continua existindo e não atinge apenas uma pessoa. Atinge várias. E o netflix arranjou um jeito de nos dar uma chamada sutil sobre o que estaria por vir, caso tenha uma segunda temporada - o bullying tem muitas ramificações e efeitos, alguns que a gente nunca espera e eu gostei que eles não deixaram isso passar.

Uma coisa eu tenho certeza: a história da Hannah não acabou. Existem outras Hannahs. Lembrem-se disso e acima de tudo: não seja um porquê

Eu espero que vocês tenham gostado dessa resenha. É uma temática bem complicada e foi difícil assistir algumas cenas para mim, até mesmo escrever aqui e relembrar o que aconteceu já é um peso. Se você gostou da resenha, não esqueça de compartilhar a postagem para que mais pessoas conheçam essa série maravilhosa. E deixe aqui embaixo nos comentários o que vocês acharam da minha resenha. Vocês já viram a série? Gostaram? 

Não esqueça também de curtir a Página do Quero Mais Pizza e me seguir no @queromaisfotos, no Instagram.

Até o próximo post <3 

Comente com o Facebook!

18 comentários:

  1. Gente, gente, gente!!! A cada resenha que leio sobre essa série, eu fico mais e mais com vontade de assistir. Preciso terminar logo uma das que estou assistindo pra começar a assistir essa, porque por hora não posso mais me comprometer com nenhum nova série, se não finalizar as que já assisto. meu tempo tá curtinho.
    Xoxo,



    www.naoenrola.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu entendo como isso é. Quis terminar Punho de Ferro antes de terminar 13 Reasons why, mas vê sim <3 a série merece. e que bom que vc gostou da resenha <3 obg <3

      Excluir
  2. Uau louca para assistir preciso terminar logo, muito boa!!!!!

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. boa sorte para terminar <3 é bem triste os últimos episódios ):

      Excluir
  3. Amei sua resenha, tão completa e sem spoilers. Existem muitas Hannas por ai e eu já sofri bulling, antes mesmo de ter este nome. É difícil, machuca mas graças a Deus eu tinha pessoas para conversar comigo e minha mãe sempre lia meu diário e sabia exatamente o que eu sentia e me ajudava, mas infelizmente muitas pessoas se sentem 100% sozinhas.
    Quero muito assistir e acredito que seja muito importante este choque de realidade que a série da. Espero que ajude muitos jovens a repensarem e não ser um porque.
    Beijos
    Charme-se

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também espero que essa série faça muita gente repensar suas atitudes <3 e eu sei como é, é bem difícil mesmo e você se sente meio sufocada e paranóica até dentro do colégio. É péssimo. Obg por ter gostado (e comentado) <3

      Excluir
  4. Parei de ler para fazer meu comentário. Chorei muuuuuito vendo a série. Me mudei de escola na 4 série meus pais tinham se separado e fui com minha mae e minha irma morar na Bahia na casa da minha vó, no primeiro dia minha mae sumiu ela ja tinha conhecido um cara e estava indo morar na casa dele. Ai começou um inferno na nossa vida. Na minha escola nova eles faziam muito bullyng comigo pq minhas pernas eram um pouco torta e minha lingua presa eu chorava todo santo dia durante aquele ano. Eu evitava falar palavras com a letra "s" e sempre ficava sentada na hora do intervalo para eles não falarem dos meus "defeitos". Eu cresci acreditado que sou feia e minhas pernas feias e tenho muitos problemas de autoestima, e sobre minha lingua presa eu não sei como eu consegui "desfarçar" pq não falo mais puxando mais o "s" mais ainda sim eu evito falar palavras com a letra "s". Tb quase fui abusada por um "tio" meu. E depois disso voltei morar com meu pai. Passei minha adolescencia inteira pensando em suicidio. Não que eu tivesse depressao, longe disso mas eu nao gostava do que eu via no espelho. As pessoas nunca sabem as marcas que vão deixar na gente com o que falam. Sempre fui taxada como "dramatica" por chorar por tudo, emfim contei monha vida aqui pq sim essa serie fez eu me lembrar cada coisa triste que passei. E Ana lu eu amo seus textos, seu blog e vc sabe disso. Amo a dua visão do mundo. Nunca falei isso pra ninguem, nao dessa forma. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também chorei muito vendo a série, algumas cenas me lembraram de situações que eu passei no ensino médio ): Vitória eu sinto muito de verdade que você e qualquer pessoa tenha passado por isso. Você pode sim, ter tido depressão e não ter sido diagnosticada e por ter tido que lidar com isso sozinha, deixou marcas grandes em você. Mas ouve: você não é feia, não tem nada de errado com as suas pernas e mesmo se você ainda tiver língua presa, e daí? Não é nada demais. Você é linda e eu fico triste de ver o quanto as pessoas conseguem ser cruéis (mesmo tendo passado por muito slut shaming no colégio eu mesma). Eu espero que você nunca sinta a necessidade de tirar a sua vida como a Hannah sentiu, eu espero que você fique bem de verdade e que as pessoas que fizeram isso com você sintam o peso das ações dela. E muito obrigada pelos elogios, vindo de você significam muito <3

      Excluir
  5. Desculpa os erros de portugues. Escrevi correndo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tudo bem miga <3 sem problemas <3 nem esquenta com isso <3

      Excluir
  6. Ahhh, que resenha incrível, você se atentou a todos os detalhes! Eu não poderia esperar por nada diferente disso, já li outros textos incrivelmente bem-feitos aqui no seu blog!
    Concordo com você em todos os aspetos sobre o conteúdo da série e como assistir. É difícil, intenso, é dolorido, mas é extremamente necessário. Acredito que não só para as temáticas do bullying e do suicídio, mas também do assédio sexual, do slut shaming, da violência sexual, de toda a misoginia, enfim, à qual todas nós estamos expostas todos os dias de nossas vidas. Estou assistindo a série com outros olhos, porque quando li o livro, eu não tinha os mesmos esclarecimentos de agora eu não tinha percebido nenhuma dessas coisas (só achava muito injustos todos os boatos e tal). Foi uma ressignificação total. Outro dia, enquanto eu aguardava estrear, pensando no livro, eu me dei conta. E ver na série foi tão triste, tão revoltante!
    Recomendo o livro, mas avisando que ele não é tão rico quanto a série. É composto basicamente pelo relato da Hannah e as reações do Clay, e não inclui toda aquela parte sobre o processo judicial, as outras pessoas das fitas tentando atacar o Clay e ele tentando fazer com que sofressem as consequências... Enfim. A série acrescentou bastante coisa, mas eu nao achei isso negativo. Achei que tornou mais atrativa, instigante, atual e representativa. Eu simplesmente amei a diversidade dos personagens, achei maravilhoso!
    Só faltam os dois últimos episódios pra terminar, e já digo que amei (apesar de todas as emoçoes negativas que desperta).
    Parabéns pela resenha, está muito bem feita!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AI MDS QUE COMENTÁRIO DIGNO DE AMOR <3 MT MT MT OBG <3 TÁ EM CAPS PQ TO EMPOLGADÍSSIMA <3 HAHAHAH mas falando sério agora fiquei até sem palavras pro que vc disse e sim já haviam comentado comigo sobre o livro e eu tive a mesma sensação de que a série só enriqueceu a história. COM CERTEZA, vou ler o livro <3 e é mt verdade quando você vê essa série mais esclarecida chega até a doer mais né ): concordo muito com tudo que cê disse e mais uma vez mt mt mt obg por ter gostado <3

      Excluir
  7. Também li várias resenhas. Estou nesse luto pós 13RW aonde quero que todos assistam. Sonde fico pensando nas vezes em que posso ter sido um pq. Nas vezes que eu era a vítima. E digo que foi a melhor resenha que li até agora. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ai cara que honra <3 mt mt mt obg <3 também quero que todos assistam, eu sei que é difícil, mas é muito muito necessária essa série <3 eu simplesmente quis que as pessoas soubessem disso, por isso escrevi <3

      Excluir
  8. A resenha mais completa que eu já li! Tô assistindo devagar porque não tenho emocional para isso não. E como você disse é o retrato mais real do ensino médio. Já me senti Hannah, mas facilmente poderia ter sido um porque de alguém. Todos podem. A gente não faz ideia de como nossas ações, falas, pode impactar a vida do outro. É uma série difícil mas todos deveriam ver. Tem gente que ainda culpa a Hannah e a chama de egoísta, acredita?
    Skyscrapers

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Já me senti Hannah, mas facilmente poderia ter sido um porque de alguém."EXATAMENTE ISSO. Acredito miga ): vi pessoas fazendo comentários altamente desnecessários sobre a Hannah ): e mt mt obg pelos elogios <3

      Excluir
  9. Que resenha maravilhosa e completa. Li o livro e achei a série bem melhor a mais clara. Se você acha que o Clay ouvia devagar na série, no livro então nem se fala é mais angustiante ainda. Apesar de ter gostado bastante e já ter se tornado uma das minhas preferidas, apesar de tudo. Eu achei que é um assunto muito importante para ser abordado, principalmente para as pessoas que ja praticaram bullying, porém parece uma ferramenta para quem já tem pensamentos suicidas. Quando uma pessoa pensa em se matar, ela quer acabar com seu sofrimento. Na serie mostra que além de acabar com seu sofrimento, também vai fazer com que os outros se sintam mal e culpados, o que acaba sendo na minha opinião, mais um motivo.


    Mergulhares | Blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito muito obg <3 quero mt ler o livro, só me falta tempo aaaaaa <3 Olha não acho que alguém pensa em se matar pensando em deixar os outros se sentindo culpado ou magoados, no último episódio da série a Hannah literalmente acha que ELA é um problema na vida de todos e não o oposto. Além disso se tem uma coisa que a série mostra com clareza é a dor que é cometer suicídio. Você assistiu o pós créditos com os comentários dos atores e da produção? Se chama Além dos porquês, eu recomendo que você assista, pois vale muito a pena.

      Excluir

Quero + Pizza • Design e Desenvolvimento por Lariz Santana