PORQUE TER PÉ DE PRINCESA É UM VERDADEIRO INFERNO

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Foto Acervo Pessoal.

Ei, você... Você gosta de comprar sapatos? Eu também. Mas se você tem o pé menor ou muito maior daquilo que é considerado normal pela sociedade: aposto que você sofre toda vez que entra em uma loja de sapato

Meu pé sempre foi pequeno (o famoso pé de princesa) e eu sempre tive que usar números abaixo daqueles considerado padrão para a minha idade. Mas isso nunca havia sido um problema enorme até eu atingir a vida adulta. Foi apenas há alguns anos que as marcas de adulto passaram a oferecer o número 34 com mais frequência, pois até então ele era considerado infantil. 

Mas e as pessoas que não são crianças, mas possuem o pé pequeno? Ou então calçam 34, mas possuem o pé fino o que por vezes a força a optar por um número menor? E aquelas que não se encaixam exatamente em nenhuma das extremidades? 

Eu digo pra vocês o que acontece: essas pessoas simplesmente são excluídas. A maior parte das marcas não estão interessadas em oferecer 33, apesar de na maior parte do tempo não ser um problema para elas oferecerem. Elas só não estão afim mesmo. E você pode dizer "Ah, Ana é por falta de procura", mas eu andei conversando com vendedoras de diversas lojas que me disseram exatamente o contrário. Que números assim tem muita procura, mas apenas não saem porque bem... eles não existem nas marcas. 



As poucas marcas que oferecem esse número cobram um valor muito acima do normal impedindo que pessoas com baixo poder aquisitivo tenham acesso a esse produto, por exemplo.


Foto Acervo Pessoal: Oxford Metalizado da Taquilla, uma das poucas lojas que oferecem tamanho 33. Embora o preço não seja tão acessível e nas promoções o número 33 quase sempre são os primeiros a acabar. 

Como opção resta voltar-se para a sessão infantil (principalmente de lojas de departamento), como já tive que fazer diversas vezes. E ok, hoje em dia a sessão infantil até oferece opções bacanas e longe de mim reclamar, já que alguns modelos chegam até serem mais baratos do que sua opção equivalente na sessão adulta. Tenho um coturno metalizado da sessão infantil, por exemplo, que me custou R$129,90. Enquanto que o seu equivalente básico preto na sessão adulta custava R$199,90. E vou te dizer que o material e sua qualidade eram os mesmos. Tem sim, as suas vantagens de comprar na sessão infantil, mas quando procuro por coisas mais básicas sofro muito. 

Porque na sessão infantil você encontra muito glitter, muito prata, muito rosa, muito dourado e ás vezes um jeans e um marrom. O que para se ter em um ou outro sapato é legal, mas todos já não rola (tomando por base o meu guarda roupa). Primeiro porque meu estilo não me permite isso. Eu uso na maior parte das vezes sapatos pretos ou brancos - e não se acha com muita facilidade sapatos assim, normalmente eles são cheios de frufrus e detalhes a mais. Que para uma pessoa mais minimalista e neutra como eu nem sempre cabe não é mesmo? Segundo: que mesmo que eu quisesse não poderia usar apenas sapatos coloridos para sempre, pois existem situações do dia a dia que volta e meia pedem um look mais formal - entrevistas de emprego, reuniões... esse tipo de coisa acontece e nem sempre fica bacana usar um oxford rosa metalizado. 

Para piorar a situação o padrão brasileiro de tamanhos é completamente louco. Isso porque não existe um padrão. Cada marca determina o tamanho de cada sapato como bem entender. E sim, de cada sapato separadamente, então mesmo se um par de uma determinada marca couber no seu pé ainda assim não significa que os outros pares dessa mesma marca irão caber também. Para vocês terem noção o meu pé mede 21cm (sim, ele é bem pequeno) e o 33 das marcas brasileiras podem variar do 21 ao 23 cm. Enquanto que o 34 pode variar do 21 ao 23,5. Tornando-se extremamente complexo até mesmo para eu definir onde cabe meu pé. Hoje calço 33, mas amanhã posso calçar 34. E é tão bizarro esse "padrão" que na Europa ou nos Estados Unidos: 23 cm já seria o que conhecemos como 35 (a numeração lá é diferente, na europa por exemplo costuma ser dois números acima do brasileiro, o 35 seria o 37 Europeu).


Foto Acervo Pessoal: A Zaxy é uma das minhas marcas favoritas, pois os modelos além de lindos costumam ser super confortáveis. E eles oferecem o tamanho 33/34.

E realmente já aconteceu de eu experimentar sapatos 34 que mais pareciam um 35, porque já chegaram a sobrar dois dedos meus de largura. E isso tudo se torna extremamente cansativo, eu sinto que é como se eu partisse numa jornada toda vez que vou buscar algum modelo de sapato. E muitas vezes volto de mãos vazias. É um pouco decepcionante e não vou mentir que mexe um pouco com a minha auto estima também. Você se sente como se não pertencesse a própria sociedade só porque não consegue achar um sapato pro seu pé.

Às vezes parece que não é meu lugar estar ali. Que mesmo se eu por acaso achar um sapato que cabe no meu pé, vai ser um milagre, uma exceção (e realmente é) e não porque é normal. 

Por vezes as pessoas não me entendem porque compro "muito sapato", mas é porque realmente se eu não levar aquele par 33 naquele momento: eu não levo nunca mais. Eu nunca sei quando vou achar um sapato pro meu pé na próxima vez. Pode levar alguns dias, pode levar semanas e pode levar meses. 

E eu não sei se meu pé diminuiu ou se as marcas realmente estão fechando cada vez mais o seu mercado. Pois tem algumas que eu lembro de usar até há alguns anos atrás e que hoje as formas dos sapatos ficam absurdamente enormes e não existe uma opção de número menor.


Foto Acervo Pessoal: Na febre das sandálias tratoradas, a única que coube no meu pé dentre as milhares de lojas que procurei foi essa 34 da Leader.

Provavelmente quem calça 40 me entende nesse ponto, pois eu sei que é tão difícil quanto. Esse ano tem sido muito estressante e cansativo buscar um único sapato que coubesse no meu pé e eu queria saber se para vocês, que tem pé pequeno, é assim também. 

E o que me deixa pior: é que não deveria ser assim. Não precisa ser assim. Sair para comprar deveria ser algo leve, que te deixe feliz, relaxada... e na maioria das vezes eu saio mais estressada do que quando entrei. 

Desculpa desabafar sobre isso aqui no Blog, mas é algo que tem me incomodado muito na indústria de sapatos esse ano. E eu precisei vir conversar com vocês sobre isso porque não é possível que eu seja a única que tenha essa sensação. Eu conheço algumas marcas boas e acessíveis que oferecem número 33 e se vocês quiserem eu posso fazer um novo post sobre elas e com as minhas impressões.


Foto Acervo Pessoal: Uma das poucas vantagens de comprar na sessão infantil é fazer achados de tendências que estão bombando por um preço muito mais acessível. Coturno tamanho 34 encontrado na Renner e custou R$129,90. Esse é literalmente o único jeito de um sapato da Renner caber no meu pé.

Me contem nos comentários o que vocês acharam. Se vocês souberem de alguma loja boa e barata que tenha esses números mais difíceis de achar indiquem também. Eu vou adorar (de verdade) conhecer. 

Eu espero que vocês tenham gostado do post de hoje. Se você gostou não esqueça de compartilhar a postagem para que mais pessoas leiam também. 

Curtam a página do Quero Mais Pizza no Facebook e me sigam no @queromaisfotos no Instagram, eu estou sempre compartilhando meu dia a dia por lá. 

E se você quiser inspirações de sapatos pode correr no meu pinterest (queromaispizza) porque eu tenho uma pasta inteira dedicada só pra isso (pena que a maioria não caberia no meu pé, haha). 

Comente com o Facebook!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quero + Pizza • Design e Desenvolvimento por Lariz Santana